HONRA DE SERVIR

th.jpg

Às vezes, alma irmã, dizes que a vida
É um tecido de lutas colossais,
Que não tens paciência de sofrê-las,
Que não suportas mais.

Acalma-te, no entanto, pensa e nota:
Sem que os problemas surjam tais quais são,
Tudo seria o caos no campo da existência,
Deserto sem degraus de elevação.

– “Paciência, – explicou-nos sábio amigo,
É o respeito ideal que se mantém,
Entre os seres e as vidas que se entrosam
Para a realização do Eterno Bem”.

Para que não se faça barro e lodo,
Pântano incomodando o próprio ar,
Deve a fonte servir no curso a que se prende,
No anseio de atingir a grandeza do mar.

Se o trigo recusasse a mó que o pulveriza,
Faria nobre prato com certeza
Ou talvez fosse adorno para o mundo,
Mas não seria pão brilhando à mesa.

Sem controle da usina que a governa,
Depois de acumulada onde se ativa,
Seria a força da eletricidade
Unicamente força destrutiva.

Se quisesse fugir da órbita a que atende,
Seria o próprio Sol, nos espaços profundos,
Um monstro luminoso sem destino,
Perturbando a mecânica dos mundos.

Paciência, alma irmã, é o dom do entendimento,
A honra de servir que temos ao dispor,
Para erguer, ante os Céus, nos distritos da Terra,
O caminho da Paz e a presença do Amor.

[Maria Dolores]

Anúncios

ABOLIÇÃO DO MAL

adoracao_002 (2)

Quem se refere à perseguições e calúnias, rixas e desgostos, na maior parte das circunstâncias, está destacando a influência do mal. Quantos milhares de caminhos, entretanto, para equilíbrio e restauração, alegria e esperança se todos nos empenhássemos a extinguir impressões negativas no nascedouro!… Determinado amigo terá incorrido no erro de que o acusam, todavia se nos afastamos da censura que o envolve, anotando-lhe unicamente as qualidades nobres de filho de Deus, com possibilidades de recuperação iguais às nossas, mais depressa se verá liberto da inquietação na sombra para readquirir a tranquilidade de consciência. Certo acontecimento menos feliz haverá sido indiscutivelmente um desastre social, no entanto, se nos abstemos de comentá-lo nos aspectos destrutivos, teremos cooperado para que se lhe pulverizem os destroços morais, sem piores consequências. Aquela injúria assacada contra nós efetivamente nos haverá queimado as entranhas do ser, entretanto desaparecerá nas correntes profundas do tempo, se nos consagramos a olvidá-la, sem comunicar-lhe o fogo devorador aos entes queridos, através de alegações menos edificantes. Essa confidência amarga ter-nos-á atingido o coração, por farpa invisível, mas não ferirá outros, se nos dispusermos a esquecê-la. Reflitamos na contribuição da paz a que todos somos chamados e para a qual todos somos capazes com segurança e eficiência. Para começar, porém, de maneira substanciosa e definitiva, é preciso que o mal cesse de agir, tão logo nos alcance, encontrando em cada um de nós uma estação terminal das trevas.

[Emmanuel – Do livro: Mãos Unidas]

Orar

man-praying3

Pedi e obtereis – ensinou o Mestre Divino.

Semelhante lição, todavia, abrange todos os setores da vida, tanto no que se refira ao bem, quanto ao mal.

Qualquer propósito é oração.

A prece nasce das fontes da alma, na feição de simples desejo, que emerge do sentimento para o cérebro, transformando-se em pensamento que é a força de atração.

Nesse sentido, todo anseio recebe resposta.

Há orações que são atendidas, de imediato enquanto que outras, à maneira de sementes raras, reclamam largo tempo para a germinação, florescimento e frutificação.

 Necessário, portanto, vigiar sobre o manancial de nossas aspirações.

As rogativas do bem se elevam às Esferas Superiores, ao passo que os anelos do mal descem às zonas de purgação, das trevas indefiníveis.

Anjos existem, habilitados a satisfazer aos bons, da mesma forma que entidades da sombra se acham a postos, a fim de colaborarem com os maus.

Forneçamos os temas elogiáveis ou infelizes de nossas cogitações mais íntimas e os executores invisíveis se manifestarão ativos, contribuindo na realização de nossos projetos, de conformidade com a natureza de nossas intenções.

jesus_orando_na_montanha Reconhecendo que ainda não sabemos pedir, de vez que, na maioria das vezes, ignoramos a essência de nossas próprias necessidades, imitemos o Divino amigo, na oração dominical, quando nos ensina a endereçar as nossas súplicas ao Pai Todo-Misericordioso, na base da confiança perfeita: – “Faça-se a Tua Vontade justa e soberana, na Terra e em toda parte”.

 O ensinamento do Cristo guarda absoluta atualidade, nas menores características do nosso tempo, entendendo-se que desejar é função de todos, enquanto que orar com proveito é serviço que raros corações sabem fazer.

[Pelo Espírito Emmanuel – Do livro: Taça de Luz, Médium: Francisco Cândido Xavier.]

É Preciso Ouvir

Aprendo a ouvir a voz de DEUS

O turista viajava pelo Oriente e, atraído pelo que ouvira falar a respeito de renomado guru, resolveu visitá-lo.

Sabedor que todos o tinham em extraordinário conceito pelos conselhos que dava a quem o buscava, pensou em lhe pedir orientação para sua vida, que estava um autêntico caos.

Foi introduzido em uma saleta, junto a outros que, igualmente, seriam atendidos. A casa era simples e pequena. O guru procedia à cerimônia do chá, com que desejava brindar os visitantes.

O turista, afoito e impaciente, começou a falar sem interrupção. Falava dos seus problemas, das suas dificuldades, acompanhando todos os passos do dono da casa, conforme ele se movia de um lado para o outro.

Segurou a chávena que lhe foi entregue, sem muita atenção.

Contudo, quando o guru nela despejou um pouco de chá, estando virada para baixo, inverteu o sentido das suas palavras para protestar:

O senhor viu o que fez? A chávena estava ao contrário e o chá derramou…

Calmamente, respondeu o guru:

Exatamente como a sua mente! Você está tão preocupado em falar, que não escuta nada do que se lhe diga.

É como despejar um bule cheio de chá na chávena virada para baixo.

Mude a sua conduta. Pense antes de falar. Fale pouco, analisando o que diz. Quando agir assim, a sua vida vai melhorar.

E concluiu: Pode se retirar. A consulta acabou.

Quantos de nós nos assemelhamos a esse turista. Dizemos que desejamos respostas às nossas indagações. Entretanto, não paramos de fazer perguntas, não permitindo ao interlocutor possa nos responder.

E, se ele tenta falar, o nosso gesto logo diz que ele deve esperar um pouco, porque não concluímos nossa narrativa.

Isso quando não começamos a dar as respostas, conforme acreditemos devam ser.

Como se lê no capítulo três, do livro bíblico Eclesiastes: Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

Portanto, devemos concluir que, no relacionamento pessoal, há um tempo para falar e outro tempo deve ser dedicado a escutar.

Grandes problemas se resolveriam em minutos se tivéssemos a calma para ouvir o que o outro tem a dizer.

Desentendimentos sequer viriam a existir, se nos permitíssemos ouvir as pessoas.

Aprenderíamos mais se nos dispuséssemos a ouvir quem deseja nos ensinar.

E ouvir não quer dizer simplesmente, escutar. É ouvir com atenção, é buscar entender o que o outro expressou e, se não entendeu, humildemente, pedir:

Pode repetir, por favor? O que você quer dizer, exatamente?

E se dispor a ouvir um tanto mais.

Se observarmos nosso organismo, veremos que Deus nos dotou de um par de ouvidos e uma só boca. Sabiamente, já prescrevia que mais se deve ouvir, e menos falar.

Ouvir os conselhos dos mais maduros, dos que já vivenciaram certas experiências e podem nos auxiliar a não cair nos mesmos erros.

Ouvir o que tem a dizer os nossos filhos: suas queixas, seus problemas, suas dificuldades com os amigos, os professores, no trabalho, no namoro.

Aquele que tem ouvidos para ouvir, que ouça! Foi o registro do Evangelista Mateus, como advertência do sábio Mestre da Galileia.

Disponhamo-nos a ouvir: a voz do outro, a sinfonia do mundo, o próprio silêncio.

Ouçamos.

[por Redação do Momento Espírita, baseado em um conto oriental]

Todos Podemos

Nem todos revelamos grandezas, mas todos podemos cultivar humildade.
Nem todos demonstramos conhecimentos superiores, mas todos podemos estudar.
Nem  todos  conseguimos  sustentar,  economicamente,  as  boas  obras,  mas  todos  podemos
efetuar essa ou aquela prestação de serviço.
Nem todos guardamos a competência ou o dom de curar, mas todos podemos, de um modo
ou de outro, auxiliar aos nossos irmãos enfermos.
Nem todos estamos habilitados para mandar, mas todos podemos servir.
Nem todos somos heróis, mas todos podemos ser sinceros, justos e bons.
Nem todos nos achamos em condições de realizar muito no socorro aos que sofrem, mas
todos podemos oferecer algo de nós, em favor deles.
Não alegueis indigências, pequenez, fraqueza, incapacidade ou ignorância para desertar do trabalho a que somos chamados. Comecemos, desde agora, a edificação do Reino de Deus, em nós e em torno de nós, através do serviço que já possamos fazer.

[Albino Teixeira]

Ser ou Se mostrar cristãos

caridade

Sentinelas de luz eis a missão de todos os que se julgam cristãos. O “ser cristão” tem sido esquecido pela humanidade em sua ânsia de “se mostrar cristão”.
Muitos se intitulam cristãos só por julgarem acreditar em Cristo, mas desconhecem as palavras do Cristo e não as praticam. Que antagonismo, meus amigos! Um médico não pode se apresentar como tal se apenas conhece a teoria, mas ainda desconhece a prática.
Sem a prática o conhecimento técnico de medicina não fornece o direito de exercer a profissão não é mesmo? Como podemos imaginar que o “ser cristão” seja diferente? Iludirmo-nos criando meios e situações em que camuflamos a realidade, aquietando a nossa consciência. Mas até quando conseguiremos viver essa ilusão?
Nosso mestre Jesus deixou o roteiro seguro e muito claro para todos que querem segui-lo, sendo cristãos. Ter o conhecimento desse roteiro (teoria) contido em Seu Evangelho, ainda assim não nos torna cristãos. É necessário praticar o Bem através do Amor, da caridade.
Esses ensinamentos precisam ser vividos intensamente em nossas vidas, em nossos pensamentos e em nossas ações diárias. Se assim não o fizermos toda a teoria será apenas lixo energético, que acumulamos ao longo de nossa existência, mas que infelizmente não conseguimos aplicar.
Para que o Bem se faça presente entre nós não basta conhecê-lo, é preciso mais do que não fazer o Mal, é preciso antes de tudo que nossos corações sejam renovados em atitudes e esperanças, vivendo em clima de regeneração. Vamos refletir esta semana sobre nossas atitudes. Somos Cristãos ou nos mostramos Cristãos? Pensem a respeito.
Deixo para meus amigos, o conhecimento a luz do Evangelho, a fim de que a evolução espiritual aconteça dentro de cada um.

_caridade

Paz e luz!

[irmão Matheus]

Não Desista!

Mesmo que as sombras temporariamente visitem seu coração, persista.
Confia, pois Jesus continua sempre ao lado seu.
Confia, pois a noite escura sempre anuncia um dia de luz para aqueles que perseveram e seguem adiante.
Confia, pois ninguém sofre na Terra sem o auxílio do Senhor.
Confia, pois amanhã sempre nascerá um novo dia para aqueles que não desistem de viver.

Não desista!
Se a morte chegou próxima de você e retirou de seu convívio um doce amor dos dias seus, confia no Senhor, pois quem ama, devolve a Deus o seu melhor, mesmo que tenha sido alguém que você amou. Ele, ao certo, continua vivo muito além de sua tristeza.

Não desista!
Quem vive com Jesus sempre conquistará a vitória e aqueles que trabalham em nome do Senhor, encontrarão o triunfo na certeza que o trabalho é o caminho que renova e eleva cada filho ao Senhor.
Portanto, mesmo que os dias pareçam sombras sem fim, amanhã, o Senhor lhe oferecerá uma nova oportunidade para você seguir e encontrar com fé, sua felicidade.

[Gilvanize Balbino Pereira / Ferdinando]