Pensamento para a semana.

cansadoPode vir um tempo quando você se tornará cansado e fraco. Então, você deve orar assim: “Senhor, as coisas estão além da minha capacidade. Estou achando difícil fazer qualquer esforço. Por favor me dê forças!” No início, Deus vai permanecer a uma distância, observando seus esforços, como o professor vigilante assistindo os alunos respondendo questões durante o exame. Então, quando você abandonar os prazeres sensuais (bhoga) e realizar boas ações e serviço abnegado, Deus virá mais perto de você. Como o sol, Ele espera à porta fechada. Como um servo que conhece os direitos de seu mestre e suas próprias limitações, Deus não bate à porta, mas simplesmente espera do lado de fora. Quando se abre a porta só um pouco, como o Sol, Deus se apressa e prontamente move para fora a escuridão interior. Então, tudo o que você precisa é de discernimento (Viveka) para orar e sabedoria espiritual (jnana) para recordá-Lo.”

[Sathya Sai Baba]

Anúncios

É Preciso Ouvir

Aprendo a ouvir a voz de DEUS

O turista viajava pelo Oriente e, atraído pelo que ouvira falar a respeito de renomado guru, resolveu visitá-lo.

Sabedor que todos o tinham em extraordinário conceito pelos conselhos que dava a quem o buscava, pensou em lhe pedir orientação para sua vida, que estava um autêntico caos.

Foi introduzido em uma saleta, junto a outros que, igualmente, seriam atendidos. A casa era simples e pequena. O guru procedia à cerimônia do chá, com que desejava brindar os visitantes.

O turista, afoito e impaciente, começou a falar sem interrupção. Falava dos seus problemas, das suas dificuldades, acompanhando todos os passos do dono da casa, conforme ele se movia de um lado para o outro.

Segurou a chávena que lhe foi entregue, sem muita atenção.

Contudo, quando o guru nela despejou um pouco de chá, estando virada para baixo, inverteu o sentido das suas palavras para protestar:

O senhor viu o que fez? A chávena estava ao contrário e o chá derramou…

Calmamente, respondeu o guru:

Exatamente como a sua mente! Você está tão preocupado em falar, que não escuta nada do que se lhe diga.

É como despejar um bule cheio de chá na chávena virada para baixo.

Mude a sua conduta. Pense antes de falar. Fale pouco, analisando o que diz. Quando agir assim, a sua vida vai melhorar.

E concluiu: Pode se retirar. A consulta acabou.

Quantos de nós nos assemelhamos a esse turista. Dizemos que desejamos respostas às nossas indagações. Entretanto, não paramos de fazer perguntas, não permitindo ao interlocutor possa nos responder.

E, se ele tenta falar, o nosso gesto logo diz que ele deve esperar um pouco, porque não concluímos nossa narrativa.

Isso quando não começamos a dar as respostas, conforme acreditemos devam ser.

Como se lê no capítulo três, do livro bíblico Eclesiastes: Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

Portanto, devemos concluir que, no relacionamento pessoal, há um tempo para falar e outro tempo deve ser dedicado a escutar.

Grandes problemas se resolveriam em minutos se tivéssemos a calma para ouvir o que o outro tem a dizer.

Desentendimentos sequer viriam a existir, se nos permitíssemos ouvir as pessoas.

Aprenderíamos mais se nos dispuséssemos a ouvir quem deseja nos ensinar.

E ouvir não quer dizer simplesmente, escutar. É ouvir com atenção, é buscar entender o que o outro expressou e, se não entendeu, humildemente, pedir:

Pode repetir, por favor? O que você quer dizer, exatamente?

E se dispor a ouvir um tanto mais.

Se observarmos nosso organismo, veremos que Deus nos dotou de um par de ouvidos e uma só boca. Sabiamente, já prescrevia que mais se deve ouvir, e menos falar.

Ouvir os conselhos dos mais maduros, dos que já vivenciaram certas experiências e podem nos auxiliar a não cair nos mesmos erros.

Ouvir o que tem a dizer os nossos filhos: suas queixas, seus problemas, suas dificuldades com os amigos, os professores, no trabalho, no namoro.

Aquele que tem ouvidos para ouvir, que ouça! Foi o registro do Evangelista Mateus, como advertência do sábio Mestre da Galileia.

Disponhamo-nos a ouvir: a voz do outro, a sinfonia do mundo, o próprio silêncio.

Ouçamos.

[por Redação do Momento Espírita, baseado em um conto oriental]

Todos Podemos

Nem todos revelamos grandezas, mas todos podemos cultivar humildade.
Nem todos demonstramos conhecimentos superiores, mas todos podemos estudar.
Nem  todos  conseguimos  sustentar,  economicamente,  as  boas  obras,  mas  todos  podemos
efetuar essa ou aquela prestação de serviço.
Nem todos guardamos a competência ou o dom de curar, mas todos podemos, de um modo
ou de outro, auxiliar aos nossos irmãos enfermos.
Nem todos estamos habilitados para mandar, mas todos podemos servir.
Nem todos somos heróis, mas todos podemos ser sinceros, justos e bons.
Nem todos nos achamos em condições de realizar muito no socorro aos que sofrem, mas
todos podemos oferecer algo de nós, em favor deles.
Não alegueis indigências, pequenez, fraqueza, incapacidade ou ignorância para desertar do trabalho a que somos chamados. Comecemos, desde agora, a edificação do Reino de Deus, em nós e em torno de nós, através do serviço que já possamos fazer.

[Albino Teixeira]

Ser ou Se mostrar cristãos

caridade

Sentinelas de luz eis a missão de todos os que se julgam cristãos. O “ser cristão” tem sido esquecido pela humanidade em sua ânsia de “se mostrar cristão”.
Muitos se intitulam cristãos só por julgarem acreditar em Cristo, mas desconhecem as palavras do Cristo e não as praticam. Que antagonismo, meus amigos! Um médico não pode se apresentar como tal se apenas conhece a teoria, mas ainda desconhece a prática.
Sem a prática o conhecimento técnico de medicina não fornece o direito de exercer a profissão não é mesmo? Como podemos imaginar que o “ser cristão” seja diferente? Iludirmo-nos criando meios e situações em que camuflamos a realidade, aquietando a nossa consciência. Mas até quando conseguiremos viver essa ilusão?
Nosso mestre Jesus deixou o roteiro seguro e muito claro para todos que querem segui-lo, sendo cristãos. Ter o conhecimento desse roteiro (teoria) contido em Seu Evangelho, ainda assim não nos torna cristãos. É necessário praticar o Bem através do Amor, da caridade.
Esses ensinamentos precisam ser vividos intensamente em nossas vidas, em nossos pensamentos e em nossas ações diárias. Se assim não o fizermos toda a teoria será apenas lixo energético, que acumulamos ao longo de nossa existência, mas que infelizmente não conseguimos aplicar.
Para que o Bem se faça presente entre nós não basta conhecê-lo, é preciso mais do que não fazer o Mal, é preciso antes de tudo que nossos corações sejam renovados em atitudes e esperanças, vivendo em clima de regeneração. Vamos refletir esta semana sobre nossas atitudes. Somos Cristãos ou nos mostramos Cristãos? Pensem a respeito.
Deixo para meus amigos, o conhecimento a luz do Evangelho, a fim de que a evolução espiritual aconteça dentro de cada um.

_caridade

Paz e luz!

[irmão Matheus]

Não Desista!

Mesmo que as sombras temporariamente visitem seu coração, persista.
Confia, pois Jesus continua sempre ao lado seu.
Confia, pois a noite escura sempre anuncia um dia de luz para aqueles que perseveram e seguem adiante.
Confia, pois ninguém sofre na Terra sem o auxílio do Senhor.
Confia, pois amanhã sempre nascerá um novo dia para aqueles que não desistem de viver.

Não desista!
Se a morte chegou próxima de você e retirou de seu convívio um doce amor dos dias seus, confia no Senhor, pois quem ama, devolve a Deus o seu melhor, mesmo que tenha sido alguém que você amou. Ele, ao certo, continua vivo muito além de sua tristeza.

Não desista!
Quem vive com Jesus sempre conquistará a vitória e aqueles que trabalham em nome do Senhor, encontrarão o triunfo na certeza que o trabalho é o caminho que renova e eleva cada filho ao Senhor.
Portanto, mesmo que os dias pareçam sombras sem fim, amanhã, o Senhor lhe oferecerá uma nova oportunidade para você seguir e encontrar com fé, sua felicidade.

[Gilvanize Balbino Pereira / Ferdinando]

Palavras

palavras_nuas

Na maternidade de uma grande cidade, um fato começou a chamar a atenção de uma enfermeira.

Ela era encarregada do berçário e procurou o chefe da pediatria.

Havia notado que todos os bebês que ficavam no último berço, no canto, choravam menos. Dormiam melhor.

O que seria? O médico brincou com ela. Quem sabe seria um berço milagroso?

Talvez fabricado com madeira especial. Quem sabe haveria uma fada protetora? Como a enfermeira insistisse, ele disse que iria contratar um detetive.

Resolveu ele mesmo investigar. Descobriu que a enfermeira tinha razão.

Os bebês que ali ficavam eram sempre mais acomodados. Deveria existir uma causa. O posicionamento do berço. Melhor ventilação. Colchão mais confortável. Menos ruídos. Checou tudo.

As condições eram absolutamente iguais em todos os berços.

Pensou na alimentação. Negativo. Os bebês eram alimentados dentro de critérios e horários rigorosamente observados.

E se houvesse diferença de tratamento? Alguma enfermeira mais eficiente, encarregada daquele berço? Também não.

Todas se revezavam no atendimento. Intrigado, o pediatra passou a visitar o berçário em horários diferentes.

Foi numa noite, perto das vinte e duas horas, que encontrou a solução.

A enfermeira de plantão estava no seu posto. A encarregada da limpeza passava o pano molhado no chão.

Ficou observando-a. Era uma senhora idosa. A tarefa lhe era penosa.

Então, ficou em frente ao berço privilegiado, enquanto descansava.

Começou a conversar com o bebê: Vida dura, meu anjinho. Minhas costas doem como se tivessem recebido pauladas.

Gracinha! Você deve estar feliz. Sombra e água fresca. Comidinha na hora certa.

Durante vários minutos, ela conversou com o ocupante do berço. Depois, retornou ao serviço.

O médico sorriu. Tinha resolvido o enigma. Encontrara a fada.

No dia seguinte, as enfermeiras receberam importante orientação.

Deveriam conversar com os bebês, enquanto cuidavam deles. O privilégio de um berço estendeu-se por todo o berçário.

A palavra é um instrumento que poucos utilizam como deveriam.

A arte de falar é conquista. Deve-se dispor desse abençoado instrumento para preservar a vida. Para enriquecê-la de bênçãos.

A boa palavra consola. Também ampara. Ensina. Salva. Falar sobre o bem, o amor e a esperança. Propor alegria entre as criaturas.

Ensiná-las a adquirir segurança pessoal. Transmitir-lhes carinho e ternura.

Expunha conceitos de forma simples. Conteúdo profundo.

Por isso, até hoje, permanece atual e sensibiliza os que tomam contato com seus ditos.

Travemos relação de amizade com Jesus. Comuniquemo-nos com o próximo. Irradiemos alegria e paz pela palavra como ele fazia.

Não critiquemos. Abençoemos. Falemos auxiliando para o bem. Não discutamos. Demonstremos.

Não nos percamos em palavras vazias. Sirvamos sem reclamar.